OLIVENZA Igreja de Santa Maria do Castelo

História

Este templo foi construido sobre o lugar onde esteve a primeira igreja oliventina, do século XIII. A atual igreja é obra de André de Arenas, como consta numa inscrição da sua torre, tendo sido construida entre 1584 e 1627.

Exterior

A torre-fachada é de silharia, dividida em três corpos, na base destaca-se o portal da Igreja, com vão de meio ponto, apresentando a sua chave um relevo em folha de acanto, flanqueada por colunas do dóricas com festões na parte superior do fuste. As mesmas têm por base um paralelepípedo onde ressalta, na sua cara frontal, uma águia bicéfala sobre uma esfera terrestre. Sobre as colunas sobressai um entablamento em cujos extremos, e na mesma vertical das colunas, se abrem nichos vazios. Por cima da porta, destaca-se a grande rosácea chanfrada do coro que reproduz na sua parte superior o motivo da chave da porta. Mais acima, uma nova cornija marca a separação entre o segundo e o terceiro corpo. No terceiro, de menos altura, abre-se um janelão rematado em segmento de círculo. A parte superior remata-se com o campanário que apresenta duas aberturas com arco de meio ponto em cada cara. Em meados do século XIX adornaram-se as esquinas superiores com cerâmica oliventina do mestre José Carapeto.

Interior

A visão geral da planta interior deste templo revela elementos de um renascimento tardio e apresenta as características das denominadas “igrejas-salão” por se encontrarem as suas três naves à mesma altura. Contrastam com a simplicidade tardo-renascentista da sua planta geral os acrescentos posteriores de azulejaria e retábulos.

Em relação aos azulejos, existem painéis do século XVII, onde predomina o tipo “maçaroca”, nas naves laterais. No altar-mor pode-se observar azulejaria historiada (século XVIII) reproduzindo motivos de Josué: a toma de Jericó e a Defesa de Gabaón.

Este templo apresenta magníficos retábulos, destacando-se o barroco de talha dourada (1723) característico do reinado de D. João V e a espetacular Árvore de Jessé, a maior que se conserva das que ainda restam. Trata-se do mais surpreendente retábulo de Olivença. Em madeira talhada e policromada representa a árvore genealógica de Maria e Jesus com uma altura de 10,29 metros, motivo inspirado na profecia de Isaías: “brotará um menino do tronco de Jessé”, conhecido na Historia da Arte desde o século XII, abandonado na Europa como consequência da Reforma e retomado na península ibérica com mais força durante a contrareforma. Sob as suas raízes, descansa Jessé, o pai de David. Dele, parte um tronco robusto com seis ramos sobre os que aparecem as figuras, neste caso não identificadas, de doze reis da casa de Judá. A árvore é rematada por uma mandorla que envolve a imagem de Maria e o Menino. A data e assinatura que aparecem na sua base, “Reno 1774”, correspondem a algum dos seus restauros, visto que a talha não é própria de finais do século XVIII, mas sim muito anterior. Em 2010 foi objeto de uma intervenção de restauro completa que suprimiu elementos acrescentados, como a pintura que cobre o fundo, a coroa da virgem e os ceptros dos reis.

Informação

Horários
DE 1 DE MAIO A 30 DE SETEMBRO

Terça-feira a sábado: 10:00-13:30 e 17:00-19:00

Domingo: 10:00-13:30

Segunda-feira: fechado

DE 1 DE OUTUBRO A 30 DE ABRIL

Terça-feira a sábado: 10:00-13:30 e 16:00-18:00

Domingo: 10:00-13:30

Segunda-feira: fechado

Aforo

No interior da igreja só está permitida a presença de 5 pessoas.

Telefone

0034 924 490 018

Ubicación