OLIVENZA Puente de Ajuda

História

A Ponte da Ajuda, mandada construir por D. Manuel I no início do século XVI para facilitar a ligação e socorro à praça de Olivença, encontra-se hoje em ruínas. Segundo o escudeiro do Rei, Duarte de Armas, quando passou por lá em 1509 já estavam começados os pilares. As cheias do Guadiana e as guerras dos homens castigaram-na no decorrer da sua existência.

A sua última destruição aconteceu em 1709, durante a Guerra de Sucessão pelo trono de Espanha. O Marquês de Bay, general das tropas espanholas, mandou destruir os seus arcos centrais para cortar os socorros à praça de Olivença. Sofreu idênticas mutilações no século XVII, durante a Guerra da Restauração, pela qual Portugal se separou da coroa espanhola em tempos de Filipe IV de Espanha. Após o segundo dos três importantes cercos a que Olivença foi submetida, destruiu-se a parte central, compondo as tropas espanholas uns versos satíricos alusivos ao facto. Ditos versos barrocos foram contestados depois pelos portugueses com uma lírica igualmente escarnecedora do inimigo.

Estrutura

Com 380 metros de comprimento total, possuía o arco central de mais ampla luz da sua época. Os seus arcos apresentam aduelas em granito. São construídos também neste material os seus talha-mares e esporões. Quase no seu centro, ainda conserva vestígios de uma torre que defendia o seu trânsito.

Destruiu-se por última vez na Guerra de Sucessão pelo trono de Espanha, em 1709, quando o Marquês de Bay, chefe dos exércitos, destruiu os arcos centrais para isolar a praça de Olivença. Ainda se pode constatar o seu excelente fabrico, com aduelas de granito nos arcos, e os restos da sua torre.

Após diversas tentativas de reconstrução ao longo da sua história, em 2003 foi parcialmente restaurada, ficando por recuperar os seus arcos centrais.

Uns duzentos metros a jusante construiu-se uma nova ponte para recuperar a antiga ligação entre os municípios de Elvas e Olivença que a antiga ponte facilitava.

Ubicación