Rotas Rota dos Passos da Via Sacra

Os "Passos" são próprios da Semana Santa Portuguesa mais tradicional. A Irmandade das Chagas, em Portugal, costumava construir cinco capelas nas fachadas de algumas ruas, alusivas a alguns Passos da Via Sacra. A origem destes altares remonta à Procissão dos Passos, na qual o patrono de Olivença, o Senhor dos Passos, os percorria em procissão no Domingo de Passos, também denominado Domingo da Paixão (V de Quaresma; o anterior ao de Ramos). Construiam-se cinco passos por ser o número das chagas de Cristo.
A maior parte apresenta características idênticas: fachada caiada, rematada por um frontão curvo, interrompido, e com cruz ao centro. Recentemente foram alterados, com a substituição das suas antigas portas de madeira por grades com vidraças que deixam ver o seu interior, colocando-se paneis de azulejo historiados que remetem para cenas da Paixão de Cristo. Destacam-se ligeiramente dos muros das fachadas das casas, embora construídos neste caso com os mesmos materiais simples e caiados. Os mais apelativos (3 dos 5) reproduzem formas neoclássicas, dispostas à volta de uma portada alta, rematada em arco de meio ponto e ladeada por falsas pilastras que simulam suportar um entablamento de diferentes cornijas, sobre o qual se destacam acrotérios laterais, e no centro um remate em frontão com cruz. Os Passos originais tinham um interior muito simples, sem adorno. Os outros dois são mais pequenos e não se destacam das suas fachadas (os da Igreja de Santa Maria do Castelo e o da Avenida Ramón y Cajal).
Esta rota teria início no Passo que fica mais próximo do posto de turismo, terminando naquele que se encontra numa zona próxima de restaurantes e lugares de lazer ou culturais, de modo a permitir ver, em simultâneo, os diferentes atrativos de Olivença (cada uma das suas igrejas, museus, etc).